ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Publicado em 27/08/2016 às 00:00:00 - Atualizado em 27/08/2016 ás 00:00:00

 

Última chance em 49 anos de ver Júpiter e Vênus tão próximos


A conjunção poderá ser vista a olho nu de todo o Brasil neste sábado. A próxima vez que os planetas aparecerão tão perto um do outro será em 2065

 

Um incrível encontro planetário poderá ser visto no céu neste sábado (27). Vênus e Júpiter, os planetas mais brilhantes do céu, poderão ser observados de todo o país, parecendo um único astro iluminado. O espetáculo acontecerá no horizonte Oeste, na constelação de Virgem. A dica é aproveitar – a próxima vez que os dois planetas estarão tão perto um do outro será em novembro de 2065.

 

“Aproximações como essa de sábado são incomuns. Em 2022 deve acontecer outra conjunção que poderá ser vista do Brasil, mas os planetas não estarão tão unidos”, diz o físico e astrônomo Gustavo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

 

Vênus e Júpiter poderão ser vistos a olho nu ou com o auxílio de equipamentos (binóculos e telescópios) logo que o céu começar a escurecer, entre as 18 horas e 19h30, bem perto da linha do horizonte. A dica dos astrônomos para acompanhar a conjunção é buscar um céu bem escuro, longe da poluição luminosa. “Não há como errar. Basta procurar o astro mais brilhante na direção Oeste, cerca de meia hora após o pôr do sol”, diz Rojas.

 

Os planetas não devem ficar visíveis por muito tempo – a observação deve durar, no máximo, uma hora. De acordo com os astrônomos, o melhor é chegar cedo ao local de observação, assistir ao pôr do sol e esperar a aparição dos dois planetas.

 

“Não é necessário usar binóculo ou telescópio, mas, se for possível utilizar algum equipamento, a visão será inesquecível – Vênus, Júpiter e quatro de suas luas estarão visíveis em um mesmo campo”, afirma Rojas.

 

Conjunção planetária

 

A conjunção é um fenômeno astronômico em que os planetas parecem ficar mais perto no céu. No entanto, a aproximação é apenas aparente, pois Vênus e Júpiter estão separados por 720 milhões de quilômetros. Em algumas ocasiões, porém, devido ao movimento da órbita dos planetas, eles parecem se reunir quando vistos da perspectiva da Terra.

 

Publicidade