ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Publicado em 15/11/2016 às 00:00:00 - Atualizado em 15/11/2016 ás 00:00:00

 

Cientistas encontram múmia com mais de 3 mil anos conservada


Arqueólogos da Espanha acreditam que é um servo de uma família nobre dentro do sarcófago colorido descoberto perto da cidade de Luxor, no Egito

 

Arqueólogos espanhóis descobriram uma múmia faraônica milenar em muito bom estado com 3.200 anos de idade. O sarcófago está localizado perto da cidade de Luxor, no sul do Egito, próximo a um templo construído pelo faraó Tutmés III. O anúncio foi feito pelo Ministério de Antiguidades egípcio neste domingo.

 

Ela foi encontrada em um sarcófago de madeira de cores vivas, em uma tumba que poderia ser do Terceiro Período Intermediário (1075 a 664 a.C.) e cujo proprietário seria um homem da nobreza, Amenrenef, que leva o título de “servidor da casa real”, informa nota divulgada pelo Ministério de Antiguidades do país.

 

 

 

O que ajudou a preservar a múmia, segundo os pesquisadores, foi o bom estado da cartonagem, uma mascará colocada no rostos dos mortos feita de camadas linho ou papiro e coberta com gesso. O próximo passo prevê o estudo detalhado deste material para descobrir mais sobre a vida do servo.

 

O faraó Tutmés II governou aproximadamente, entre 1457 e 1425 a.C na 18ª dinastia egípcia. Ele se destaca pela atividade militar e por ter construído cerca de cinquenta templos e outros edifícios para fins funerários com o objetivo de preservar os mortos.

 

O caixão era bem colorido e tinha símbolos religiosos, como das deusas Ísis, ligada ao renascimento e reencarnação, e Néftis, associada aos ritos funerários e de morte. Além disso, os quatro Filhos de Hórus, deuses com ligação ao culto funerário, também estavam representados.

 

Luxor, cidade de 500 000 habitantes, é famosa por seus templos faraônicos às margens do Nilo e é o local da antiga cidade de Tebas, abrigando o Vale dos Reis e o Vale das Rainhas da Necrópole egípcia.

 

Veja.Com



Publicidade